Mesmo com tanta tecnologia disponível nos dias de hoje, muitas seguradoras ainda realizam de forma manual o processo de subscrição de seguros.

Recebem documentos impressos de corretores, tendo que digitalizar as informações antes de conseguir analisar e aceitar ou não o risco.

Um dos papéis das soluções em tecnologia para o mercado segurador é aprimorar e escalar os processos. Nesse artigo explicamos como a automação do processo de subscrição pode ser aplicada, tendo a conhecida solução de “emissão na ponta”. Confira abaixo.

Envio de documentação e análise do risco

Plataformas online têm sido utilizadas para resolver esse gargalo. Um exemplo é a integração de um simulador ao ERP da seguradora. Nesse cenário é possível configurar um fluxo automatizado, onde o corretor pode acessar uma tela de digitação de propostas e preencher as informações.

A validação das informações fica na própria tela. Caso o preenchimento seja feito de forma incorreta a transação não acontece e as pendências são sinalizadas para o corretor. Estando tudo correto, a transação segue e a solicitação vai direto para área de análise da seguradora.

Aqui a seguradora tem a possibilidade de eliminar o custo com papel, o tempo de comunicação entre as partes, o custo operacional com digitalização, e ir ao ponto mais importante: aceite ou recusa do risco e ter um grande ganho de escala.

Aceitação automática

Outra automação que ajuda a escalar o processo de subscrição é a aceitação automática do risco, conforme o tipo de produto e as diretrizes de subscrição.

O ERP de seguros deve oferecer essa possibilidade de configuração e, por exemplo, validar se todos os dados que entraram estão corretos, conferindo também se o valor de capital é igual ou menor a média pré-determinada. Estando tudo correto e dentro dos parâmetros o próprio ERP faz a aceitação da proposta.

Caso tenha alguma pendência ou o valor esteja acima do pré-determinado, a proposta é direcionada para análise, então o time de subscrição entra no processo e decide se a proposta vai ser aceita ou recusada.

Validações automáticas

Toda vez que alguma alteração no contrato é feita, o sistema deve rodar uma série de validações antes de salvar as alterações, verificando o formato e o preenchimento corretos dos campos de uma proposta.

Por exemplo: se está selecionada a opção de envio do boleto por opção e-mail, mas o campo e-mail do cliente não está preenchido; se está selecionado pagamento via débito em conta, mas não há os dados de banco, agência e conta. O sistema deve aceitar e salvar as mudanças somente quando todas as pendências sinalizadas forem resolvidas.

Ativação do contrato e emissão de apólice

Passada a etapa de análise o contrato está aceito por parte da seguradora, mas ainda não está ativo, afinal, falta ter o aceite por parte do segurado. Esse ato geralmente é reconhecido quando há confirmação do pagamento da primeira parcela do seguro.

Uma vez que o sistema identifica o pagamento o contrato passa a estar ativo e a apólice é emitida. Estando o ERP de seguros e o simulador online integrados, também é possível disponibilizar a apólice de forma online.

 

Configuração dos sistemas

Ao longo do artigo mostramos a importância de se ter um ERP de Seguros robusto e flexível para realizar configurações mais avançadas. Mostramos também a versatilidade de uma plataforma digital para soluções modernas.

Quer ver como essas soluções ficam aplicada a um de seus produtos? Agende conosco uma demonstração e entenda os detalhes.

 

Posts Relacionados